Dos Apóstolos: a Rainha

Maio é, para nós católicos, o mês Mariano, pois nele celebramos nossa mãe Maria. Ela que é venerada com muitos nomes; neste texto, vamos chamá-la Rainha, e mais especificamente, Rainha dos Apóstolos.

A veneração da Mãe de Jesus como Rainha é uma tradição muito antiga, que nos remonta ao cristianismo primitivo, do qual herdamos três das orações marianas mais conhecidas e com as quais nos dirigimos a Maria com o título de Rainha: a Salve Rainha (Salve Regina), a Rainha do Céu (Regina coeli) e a Salve Rainha dos Céus (Ave Regina Coelorum). Além disso, também na oração da Ladainha, Maria é invocada doze vezes como Rainha: dos anjos, patriarcas, profetas, apóstolos, confessores, mártires; de todos os Santos, das virgens, da paz, concebida sem pecado original e assunta aos céus. A realeza de Maria ainda é exaltada no último mistério glorioso, segundo o qual contemplamos a coroação da virgem Maria como Rainha do Céu e da Terra.

O título de Rainha, dado a Maria, é tão marcante que, dentro do calendário litúrgico, há uma data específica para celebrarmos nossa Mãe como Rainha, o dia 22 de agosto. Inicialmente, essa festividade, instituída pelo Papa Pio XII, em 1954, era celebrada no último dia de maio; em 1969, porém, o Papa Paulo VI mudou o dia da festa para agosto, e assim continua no calendário litúrgico até hoje. A tradição de coroar Maria no mês de maio, contudo, permaneceu.

Não obstante a devoção mariana presente na Tradição da Igreja, nós, membros da Família Paulina, recebemos como herança carismática de nosso Fundador, o padre Tiago Alberione, a devoção a Maria Rainha dos Apóstolos. Podemos nos perguntar: mas por que Rainha dos Apóstolos e não outro título? Segundo padre Alberione, o título de “Rainha” aplicado a Maria corresponde ao de “Rei”, atribuído a Jesus. E certamente padre Alberione deve ter se fundamentado no Antigo Testamento, no qual encontramos o título de Rainha dado à mãe e não à esposa do rei Davi, que prefigura o rei messiânico.

Na imagem de Maria Rainha dos Apóstolos, que padre Alberione apresentou à Família Paulina, Maria está segurando Jesus, não junto ao seu corpo, mas na posição de quem é apresentado e ofertado ao mesmo tempo. Maria nos ensina a fazer apostolado, isto é, apresentar e dar Jesus às pessoas, assim como ela o fez.

Mãe de Jesus e nossa, Apóstola e Rainha dos Apóstolos, Maria foi ainda a primeira Discípula de Jesus e é invocada como nossa Mestra na missão.

Padre Alberione dizia: Maria “tem a missão de formar, guiar, sustentar e tornar frutuoso todo apostolado”. E para que este seja eficaz “é necessário que seja acompanhado da devoção a Maria. Ai de quem, com o passar do tempo, perde ou deixa esfriar em si a devoção a Maria!”.

 

Ir. Roseane Barbosa, fsp